terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Coelho Radioactivo


Pagina oficial:https://www.facebook.com/radioactivo.coelho
O coelho radioactivo funciona um pouco como um alter-ego de João Sousa. A pessoa nasce em fins de inverno de 91, a personagem nasceu numa noite, cerca de 16 anos mais tarde enquanto passeava os dedos pela sua guitarra. Desde então tem vindo a fazer as suas canções, entre não querer sair da cama, e não conseguir adormecer, entre o folclore tradicional português e a música feita no computador, entre o roque internacional e os mantras Tibetanos. 
Até ao lançamento do seu primeiro longa duração, o Coelho Radioactivo lançou dois EPs: o esgotado “ep1” e o “Para Adivinhos”, apresentando-os ao vivo no Passos Manuel, o Teatro Aveirense, o Festival de Música Independente e o São Jorge, entre outros. Tocou em vários documentários de Tiago Pereira e ao lado de João Coração, d’O Cão da Morte e de B Fachada. Participando ainda em dueto com O Cão da Morte na compilação “20 anos de Ruptura Explosiva” que contava também com canções de Manuel Fúria, Pega Monstro e Samuel Úria. Participou ainda no disco “Muda que Muda” de João Coração e “Ainda sem nome” d’O Cão da Morte, e ainda co-produziu “Odissípo”, o terceiro disco do seu amigo animal letal. É finalmente no ano da graça de 2012 que o Coelho apresenta o seu primeiro LP, de nome “ESTENDAL”. O início das gravações remonta a Lisboa no ano de 2008, em casa do João Coração, onde foram gravadas algumas canções, outras foram captadas na Bau.uau em Aveiro, e outras ainda foram captadas na Adega, no Porto. Inicialmente o disco seria mais um de curta duração, mas o tempo juntou-lhe novas canções que só fariam sentido assim todas juntas. O disco tecnicamente, é um a solo, mas foi com a ajuda do Rafael Silva, João Coração, Paulo Francke, O Cão da Morte e B Fachada as canções foram-se transformando até tomarem a sua forma final. 
Ao vivo o coelho radioactivo, por vezes toca sozinho mas geralmente faz-se acompanhar pelos seus queridos plutónios. Carlos Rosário nas teclas, Pedro Teixeira na bateria e Ricardo Barros no baixo, sempre com a possibilidade de um ou outro plutónio honorário nos faça uma visita nas percussões ou nos coros. Num espírito de que a música existe não para ser estática, mas para ser moldável e adaptável, os Plutónios extrapolam do que é a música original sem a nunca esquecer e levam-na para outro espectro. Por vezes mais perto do roque internacional, roçando de vez em quando o metal pesado, por vezes com uma linguagem mais ligada ao psicadélico ou ao progressivo.

2014


2012

Sem comentários:

Publicar um comentário