domingo, 10 de novembro de 2013

Da Monstra

Pagina oficial:https://www.facebook.com/damonstra
O gerar de acção nunca se contrapõe com o tempo, tudo é contextualmente e temporalmente fixo,sem repetir mas rimando.O Da Monstra é um expresssionismo pouco vanguardista, tudo já foi inventado, tudo já foi feito, mas os ingredientes podem sempre ser colocados de forma diferente, gerando novas interpretações (de quem compõe e de quem ouve).
Assim sendo, e sem peneiras mercaniilistas, funde-se a imagem e o som, como os caracteres chineses que traduzimos (de forma bastante livre): o cinema.
O som e a imagem fundem-se, extravazam o seu próprio sentido, criam novas sinapses, novos gateiros (que ardem tão intensamente como se apagam...), o tempo pouco faz sentido, o ruído toma tudo.
Dos carros, dos autocarros, dos comboios... se houvesse uma definição daquilo que produzimos, entrando na fatalidade de novos nomes não surgirem; seríamos um projecto pós-futurista, filhos de máquinas, filhos de sons das máquinas.....

Sem comentários:

Publicar um comentário